Mais Recentes

Feliz dia dos Professores!


No dia 15 de outubro, é comemorado o Dia dos Professores. Nesta data, homenageamos os profissionais responsáveis pelo desdobramento da educação e do conhecimento no Brasil.

Saiba mais sobre a origem desta data especial: Dia dos Professores: Conheça a história por trás do dia 15 de Outubro
Sabemos que ser professor no Brasil não é uma tarefa muito fácil e que o caminho deste profissional está sempre cheio de grandes desafios.

Confira este documentário com relatos de alguns professores do Rio Grande do Sul:

Independente da cidade brasileira, as dificuldades existem e as histórias dos desafios enfrentados por esses profissionais se repetem e se agravam. Porém, é graças à resiliência dos professores que ainda podemos ter alguma esperança no futuro do nosso país. Por isso, e por toda a dedicação e doação, que estes mestres merecem nossa gratidão e reconhecimento.

Confira também: 12 Filmes baseados em histórias reais de Professores



Apesar da beleza que existe na arte de educar, não basta nos lembrarmos disso enquanto sociedade no dia 15 de outubro, apenas. Precisamos refletir sobre o motivo que tem feito o número de professores que sofrem com estresse, ansiedade e depressão crescer a cada dia.

Os professores têm sido a classe de profissionais mais diagnosticada com a Síndrome de Bournout e, se pararmos para investigar o porquê disso, veremos que talvez se deva aos conflitos, inseguranças e sobrecarga que os professores enfrentam.

Além da agressão verbal, muitas vezes estes profissionais são agredidos fisicamente por pais, alunos e até mesmo pela polícia em casos de manifestações em greves. Não são poucas as matérias que divulgam estes acontecimentos!

Porém, diante de tudo isso, ainda cabem as seguintes questões: Que sociedade queremos? Qual é o papel da família na formação da sociedade? Qual é o papel dos professores na formação da sociedade? É possível confiar que valores, como o respeito, são ensinados e aprendidos em casa? Como é a escola que queremos? Como é o país que queremos?

Embora não seja justamente valorizado, o papel e a importância do professor tem muito valor e significado para a formação de uma sociedade, não somente por ser a profissão que forma todas as outras profissões, mas por vezes desempenhar a função da família, a função, de amiga(o), entre outras funções de valor inestimável, desconstruindo conhecimentos mal adquiridos e suprindo o que falta na educação recebida em casa.

Queridos professores, vocês fazem toda diferença em nossas vidas e em nossa sociedade. Que a garra e a resiliência permaneçam durante a jornada. Vocês precisam ser valorizados e reconhecidos como as preciosidades que são. 

Gratidão por não desistirem da Educação. 💗

+ 50 Dicas para Festa Infantil

50 dicas para festas infantis

Comemoraremos o Dia das Crianças no próximo sábado, dia 12 de outubro. Pensando nas comemorações desse dia especial e divertido, listei mais de 50 dicas para a sua festa infantil ser ainda mais animada e memorável para a criançada.
Confira também: A origem do dia das crianças

+ 50 Dicas para Festa Infantil

Independente de onde você for organizar uma festa para crianças (na escola, na igreja, em casa...), estas simples dicas irão te ajudar a organizar e decorar uma festa infantil animada e inesquecível para os pequenos. Confira as ideias a seguir:

Decoração:

Fuja dos temas de personagens!
Se sua intenção é fazer uma festa infantil barata, a primeira dica é: Não faça festa com tema de personagens. Em vez de fazer uma festa com tema de personagem, que acaba saindo muito mais cara, opte por usar a criatividade e fazer uma festa com um conceito mais aberto, como: Floresta, circo, parque de diversões, sorvete, chuva etc.

Quanto mais colorido, melhor!

Uma boa ideia é decorar com balões e bandeirinhas suspensas e coloridas. Aproveite também para criar um ambiente bem caprichado para as crianças tirarem "fotos malucas" e guardarem de recordação. Caso seja possível contar com a ajuda de outros adultos organizadores da festa, também é legal fazer maquiagens artísticas com tintas atóxicas, próprias para pintura facial. Crianças adoram fantasias e pinturas coloridas!
Exemplos de pinturas faciais
crianças com o rostos pintados

Exemplos de "Camarim" de "Foto Maluca"
perucas, roupas, plumas e outros acessórios para foto maluca

Não cole nada na Parede!

Festa de criança precisa ser bastante colorida e você pode organizar uma belíssima festa colorida sem colar enfeites e cartazes nas paredes. É importante pensar no pós festa e em como será difícil tirar todas as coisinhas que foram coladas nas paredes, até porque fazer isso pode prejudicar a pintura.

decoração para festa de criança

Lixo no lixo.

Não se esqueça de colocar lixeiras em todos os cantos de onde será organizada a festa. Mas não é porque é lixeira que precisa ser sem graça, não é mesmo? Você também pode decorar as lixeiras, tornando-as até mais perceptíveis e atrativas para que as crianças não se esqueçam de usá-las.

lixeiras decoradas


Música:

Festa sem música não é festa!

É verdade que festa sem música não é festa, mas precisamos lembrar que o público alvo desta festa é a criançada, então escute previamente e com atenção as músicas que se serão tocadas na festa, para não correr o risco de dar play em músicas com letras ofensivas, obscenas, que não condizem com a infância ou mesmo músicas tristes e desanimadas. Lembre-se de que a festa tem a intenção de celebrar a infância, então evite fazer playlist de músicas com temas adultos, ok?
Para facilitar ainda mais, listei nomes de cantores, bandas e projetos infantis para você usar em sua festa. Muitas destas músicas também servem para serem usadas em sala de aula. Confira a seguir, 37 dicas de cantores e bandas infantis:

Músicas infantis


  1. Palavra Cantada
  2. Banda Estralo
  3. Pequeno Cidadão
  4. Tiquequê
  5. Farra dos Brinquedos
  6. Hélio Ziskind
  7. Mamão e Papaia
  8. Adriana Partimpim
  9. "Zoró", do Zeca Baleiro
  10. "Tum Pá", dos Barbatuques
  11. "Em Cantos de Casa", da Badi Assad
  12. Música de Brinquedo
  13. Os Saltimbancos
  14. "Arca de Noé", de Vinícius e Toquinho
  15. Grupo Triii
  16. Fortuna 
  17. Badulaque
  18. Grupo Cria
  19. Crianceiras
  20. OssoBanda
  21. Grupo Parampampam
  22. Grupo Éramos Três
  23. Rubinho do Vale
  24. “Música de Brinquedo”, do Pato Fu
  25. Rita Rameh e Luiz Waack
  26. Grupo Rumo
  27. Banda Trupicada
  28. “Histórias de monstros e outros bichos”, de Gui Calegari
  29. Bloquinho
  30. Banda Mirim
  31. Carrossel
  32. Xuxa só para baixinhos
  33. Patati e Patatatá
Gospel infantil para festas religiosas (cristãs):
34. Aline Barros
35. Cristina Mel
36. Diante do Trono
37. Andréia Sorvetão

Brincadeiras:

Toda festa infantil também tem que ter jogos e brincadeiras, não é mesmo? Mas nessa hora é importante separar as crianças por faixa etária e ter adultos supervisionando, enquanto outros adultos lideram as brincadeiras.
Para fazer essas brincadeiras super animadas nem é necessário gastar dinheiro, mas fica ainda mais interessante se valerem brindes para os vencedores, pois as crianças se sentirão estimuladas a participarem. Confira a seguir, 12 dicas de brincadeiras:

1. Morto ou vivo (faixa etária: acima de 5 anos)
Quando o líder disser: “Morto”, todos ficarão agachados e, quando disser “vivo”, todos darão um pulinho e ficarão de pé. O grau de dificuldade vai de acordo com a velocidade e a variação de comando. Ganha a criança que conseguir ficar até o final sem errar nenhum movimento.

2. Estátua (faixa etária: acima de 3 anos)
Coloque uma música para as crianças dançarem. Alguém para a música e grita: “estátua”. As crianças devem ficar paradas. Você pode também pedir para um adulto fazer gracinhas. Ganha a criança que se movimentar por último.

3. Passa Anel (faixa etária: acima de 4 anos)
As crianças devem ficar com as palmas das mãos unidas enquanto um adulto vai passando um anel de mão em mão. Ganha a criança que conseguir adivinhar em qual mão foi deixado o anel. A criança que acertar vai ser o próximo passador do anel.

4. Dança da bexiga (faixa etária: acima de 4 anos)
Façam duplas e sem as mãos os jogadores devem dançar equilibrando uma bexiga entre as testas. Ganha quem não deixar a bexiga cair no chão.

5. Batata quente (faixa etária: acima de 4 anos)
As crianças formam um círculo e ao centro uma criança fica com os olhos vendados. Um dos jogadores recebe uma bola e deverá passar para a criança ao lado, enquanto o objeto passa de mão em mão, todos cantam: Bata quente, quente, quente, quente... A qualquer momento da brincadeira o jogador vendado grita: Queimou! Perde quem ficar com o objeto na mão.

6. Amarelinha (faixa etária: acima de 4 anos)
Desenhe o diagrama com o giz sobre a calçada ou asfalto. O traçado tradicional é um retângulo grande dividido em dez retângulos menores – as ‘casinhas’ – numerados de 1 a 10. Na parte superior do diagrama, faça uma meia-lua e escreva a palavra ‘Céu’. Cada criança participa de uma vez jogando uma “pedrinha” ou outro objeto. Ganha quem chegar primeiro até o “Céu”.

7. Dança das cadeiras (faixa etária: acima de 5 anos)
Arrume as cadeiras em formato de círculo ou como uma fila colocando as costas de uma para outra. Colocar uma a menos da quantidade de crianças. Coloque uma música para tocar, e pare a qualquer momento. Os participantes devem sentar rapidamente. Perde quem ficar de pé.

8. Caça ao tesouro (faixa etária: acima de 5 anos)
Estabeleça equipes de acordo com a quantidade de crianças. No mínimo em cada equipe deve conter 3 crianças. Anote pistas em um papel e espalhe em áreas pré-definidas, sendo que cada pista deve trazer uma informação para que chegue até a próxima. Você pode criar pistas com grau de dificuldade de acordo com a idade das crianças.

9. Pega rabo (faixa etária: acima de 6 anos)
Divida as crianças em duas equipe. Distribua pedaços de pano e fitas identificando cada time pela cor, prenda no cós da calça de cada criança. Neste jogo as crianças devem correr umas atrás das outras, ganha quem pegar o maior numero de fitas do time adversário.

10. Cabo de guerra (faixa etária: acima de 6 anos)
Divida as crianças em duas equipes. Cada equipe deve segurar a ponta de uma corda. Demarque no chão uma linha e faça um nó na corda bem ao meio. Vence quem conseguir puxar a outra equipe para o seu lado.

11. Mímica (faixa etária: acima de 6 anos)
Divida as crianças por equipe. Cada criança deve representar algum animal através de mimicas. Ganha a equipe que conseguir acertar mais vezes.

12. Corrida do ovo (faixa etária: acima de 7 anos)
Antes da corrida, marque um ponto de largada e outro de chegada. As crianças devem atravessar de uma linha a outra segurando com a boca a colher, sobre a qual se equilibra o ovo (cozido) . Se o ovo cair, a criança deve voltar ao ponto de partida. Vence quem chegar primeiro sem derrubar o ovo no chão.

Outras ideias de brincadeiras para festas infantis:
brincadeiras para festa infanti

Brindes e Lembrancinhas:

Brindes e lembrancinhas são essenciais para deixarem a festa com aquele gostinho de "quero mais", além de reforçarem as boas memórias vividas no dia da comemoração.
Confira a seguir, algumas ideias de brindes e lembrancinhas baratas:

1 - Enfeite de mesa - Escolha uma lembrancinha que também sirva para decorar as mesas, mas que tenha alguma utilidade para as crianças usarem depois. Uma boa opção também é colocar um recipiente com muitos doces no centro da mesa.
2- Todo cuidado é pouco -  lembre-se de ter cuidado para não presentear crianças muito pequenas com brinquedos que soltem peças ou tinta!
3- Lembrancinhas úteis - É sempre bom ganhar presentes e é ainda melhor quando esses presentes são úteis. As crianças, assim como os adultos, se lembram e valorizam mais as coisas que têm alguma utilidade para elas. Então, procure dar algo que possa agregar de alguma maneira e não só produzir mais lixo. Principalmente se as lembrancinhas forem feitas a mão, você não vai querer ver todo seu sacrifício e tempo serem jogados fora, correto? Então procure confeccionar ou comprar presentinhos que sirvam efetivamente, pelo menos como decoração.

Algumas ideias de brindes e lembrancinhas:
brindes para festa de criança

Gostou das dicas para festa infantil? Tem mais dicas para compartilhar? Deixe seu comentário!

O que é Síndrome de Tourette?


Tourette é uma síndrome que provoca tiques motores e vocais, porém, não necessariamente ao mesmo tempo. Os tiques geralmente aparecem na infância ou início da adolescência e, geralmente apresentam-se inicialmente na forma de tiques motores simples, como piscadelas dos olhos. As vocalizações geralmente se apresentam depois dos tiques motores, no início da adolescência, frequentemente se apresentam na forma de pigarro, tosse, fungadelas, exclamações silábicas, entre outras. Em alguns casos os tiques vocais são os primeiros sintomas a surgirem.

Veja também: 5 Filmes sobre Síndrome de Tourette

Algumas variantes de tiques são:

Coprolalia: emissão involuntária de palavras obscenas (ou palavrões), porém, esta é encontrada em menos de um terço dos casos.
Copropraxia: Trata-se de gestos obscenos involuntários e é encontrada entre 1 e 21% dos casos.
Ecolalia: É o tique referente à repetição de palavras ouvidas.
Ecopraxia: Repetição de gestos visualizados.
Palilalia: Refere-se à repetição das próprias palavras, porém são encontradas em menos da metade dos casos.

A intensidade dos tiques é variável, podendo ser desde quase imperceptíveis a ostensivos. Às vezes, os tiques são “camuflados” em atitudes corriqueiras como por exemplo, ajeitar a roupa, afastar o cabelo do rosto… porém, são reconhecidos pelo seu caráter repetitivo.

Uma série de comportamentos se associam à Síndrome de Tourette, em alguns casos, como o comportamento hiperativo, automutilatório, distúrbios de conduta e de aprendizado, além dos sintomas obsessivo compulsivos (SOC). Estima-se que, mais de 40% dos pacientes com a ST (Síndrome de Tourette) apresentavam TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e que aproximadamente 90% tem Sintomas Obsessivos.

Qual é a causa a Síndrome de Tourette?

Sabe-se que existe a influência de fatores genéticos, neurobiológicos e outras, mas a causa real da ST ainda permanece desconhecida. Alguns autores sugerem a possibilidade de que tiques, alguns transtornos do movimento, sintomas obsessivo-compulsivos e hiperatividade, possam estar relacionados à presença de anticorpos antineurais (contra o cérebro) decorrentes de infecções estreptocócicas, mas ainda não há comprovação de que realmente seja isso.

Às vezes, os tiques são precedidos por uma sensação desconfortável, chamada de “sensação premonitória” e frequentemente seguidos por uma sensação de alívio. Porém, às vezes os tiques se tornam “obrigatórios”, como um tipo de ritual, o que os torna, por vezes, difíceis de diferenciar das compulsões ou TOC.

Geralmente, os tiques desaparecem ou diminuem durante o sono e também durante atividades que exijam muita concentração. Por outro lado, os tiques apresentam piora diante do estresse, ansiedade, fadiga, e excitação.

Embora seja possível suprimir os tiques pela vontade da pessoa com ST, não a pressione, pois para que este comportamento seja suprimido, o paciente passa por uma grande tensão emocional. É sempre importante o exercício de se imaginar no lugar da outra pessoa e não fazer com o outro o que não gostaríamos que fizessem conosco.


Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é apenas clínico, sendo baseado nos seguintes critérios:
  • Presença de tiques motores múltiplos e um ou mais tiques vocais, não necessariamente simultâneos;
  • Ocorrência de tiques diversas vezes ao dia, quase que diariamente, ou intermitentemente, por mais de um ano;
  • Com o passar do tempo, a localização anatômica varia, assim como os tipos, a frequência, a gravidade e a complexidade dos tiques;
  • Os sintomas aparecem na infância ou adolescência (antes dos 18 anos de idade);
  • Inexistência de outras condições médicas que esclareçam os movimentos involuntários e/ou as vocalizações;
  • Testemunho ou registro de tiques motores e/ou vocais.

Veja também: 21 Filmes sobre Autismo que você precisa assistir

A Síndrome de Tourette tem cura?

A Síndrome de Tourette não tem cura, mas tem tratamento e em uma grande parcela dos casos (aproximadamente 1/3), os pacientes apresentam remissão completa ao final da adolescência, outra parte apresenta melhora dos tiques após entrar na idade adulta e o restante continua sintomático durante a vida adulta, porém, com o tratamento específico a tendência é diminuir a intensidade dos tiques. Segundo a ASTOC (Associação Brasileira de Síndrome de Tourette, Tiques e Transtorno Obsessivo Compulsivo), remissões espontâneas foram relatadas em 3 a 5% dos casos.

Qual é o tratamento para os Tiques e a Síndrome de Tourette?

O tratamento da ST consiste nas seguintes abordagens:

  • Tratamento psicológico e social – É importante haver acompanhamento de um psicólogo ou psicopedagogo nesta etapa do tratamento. Antes de iniciar o tratamento, deve-se fazer uma avaliação dos tiques a respeito da frequência, intensidade, localização, e complexidade, para se ter uma ideia mais ampla das interferências na vida diária. Também é necessário investigar a interferência do ambiente escolar, familiar e outros lugares onde haja relacionamentos interpessoais, analisando os ambientes e situações que causam mais estresse, dentre outras observações. Esta abordagem também inclui orientação aos responsáveis, familiares e educadores, fornecendo informações a respeito da síndrome, suas características e o modo de lidar com a criança ou adolescente. Deve-se cuidar para que ocorra o mínimo de estigmatização. Evitar atitudes superprotetoras que favoreçam a manipulação da doença por parte da criança.
  • Tratamento farmacológico – O medicamento é muito útil no alívio dos sintomas, já que até o presente momento, não há tratamento curativo para a ST. Porém, nem sempre há necessidade do uso de remédios, e, mesmo quando o neurologista ou o psiquiatra recomenda o uso, as doses devem ser as menores possíveis.

Caso você reconheça estes sintomas, deverá conversar com um psiquiatra ou neurologista.

A Pedagogia de Paulo Freire

Paulo Freire

Paulo Freire nasceu em Recife, no dia 19 de setembro de 1921, e faleceu na cidade de São Paulo, em 02/05/1997, aos 75 anos. Foi o mais célebre educador brasileiro, com atuação e reconhecimento internacionais, devido a suas pesquisas e métodos no campo da alfabetização, principalmente no que se refere à Educação de Jovens e Adultos.

Veja também: O que é Pedagogia?

O Método Paulo Freire

Seu Método foi aplicado pela primeira vez na região de Angicos (RN) em 1963, buscando, através do seu conhecimento e sensibilidade, alfabetizar e politizar os povos daquele lugar. O contexto histórico daquela região era marcado por trabalhadores rurais, domésticas, pedreiros, entre outros trabalhadores que acreditavam na importância de aprender a ler para “mudar de vida”. Segundo registros – que podem ser conferidos no livro “As quarenta horas de Angico”, de Carlos Lyra – cerca de 300 pessoas foram alfabetizadas em apenas 45 dias, isso porque o processo se deu em apenas quarenta horas de aula e sem cartilha. Esta proeza tornou-se reconhecida como o feito mais marcante de Paulo Freire no campo da Pedagogia.

Paulo Freire

A metodologia usada por Freire foi a escolha de palavras geradoras, comuns no vocabulário local como, por exemplo, cimento, tijolo, enxada, vassoura, terra, colheita, entre outras. Diante dos alunos, o professor mostra lado a lado a palavra e a representação visual do objeto que ela designa. Os mecanismos de linguagem são estudados depois do desdobramento em sílabas das palavras geradoras. O conjunto das palavras geradoras deve conter as diferentes possibilidades silábicas e permitir o estudo de todas as situações que possam ocorrer durante a leitura e a escrita, fazendo com que a pessoa incorpore as estruturas linguísticas do idioma.
A partir da decodificação fonética das palavras, o método freiriano visa ir construindo e associando novas palavras, aumentando assim o repertório dos alunos. Embora atualmente a técnica de silabação seja vista como “ultrapassada”, o uso de palavras geradoras continua sendo adotado com sucesso em programas de alfabetização em diversos países do mundo.
O método de Paulo Freire privilegia o diálogo e o trabalho em grupos, valorizando os conhecimentos trazidos pelos educandos. Portanto, seu método também conta com a organização dos círculos de cultura.

Veja também: 12 Filmes Baseados em Histórias Reais de Professores

Método de alfabetização Paulo Freire

O circulo de cultura promove o debate sobre questões centrais da realidade cotidiana dos alunos, como trabalho, cidadania, alimentação, saúde, organização das pessoas, liberdade, felicidade, valores éticos, política, opressão, economia, direitos sociais, religiosidade, cultura, entre outras, além de visar promover o processo de ensino e aprendizagem da leitura e da escrita.

círculo de cultura método de alfabetização


Caso você esteja se perguntando “mas por que círculo?”, a resposta é que, Na figura do círculo, todos se olham e se veem. Neste círculo, o educador é visto como um animador e coordenador das discussões que, como um companheiro alfabetizado, participa de uma atividade comum em que todos se ensinam e aprendem. Em todo momento, promove um trabalho, orienta uma equipe cuja maior qualidade pedagógica é o permanente incentivo a momentos de diálogo sobre cultura e sociedade.

A importância do aprendizado conjunto

A chave para o processo de conscientização preconizado por Paulo Freire é a valorização da cultura do aluno e está no âmago de seu método de alfabetização, formulado inicialmente para o ensino de adultos.
Segundo Freire, a educação deveria passar necessariamente pelo reconhecimento da identidade cultural do aluno, sendo o diálogo a base de seu método. O conteúdo deveria estar de acordo com a realidade cultural do educando e com a qualidade da educação, medida pelo potencial de transformação do mundo.

O pensamento Pedagógico Político de Paulo Freire

Freire desenvolveu um pensamento pedagógico assumidamente político. Para ele, o objetivo maior da educação é conscientizar o aluno, possibilitando o conhecimento e pensamento crítico às parcelas desfavorecidas da sociedade, para que elas entendessem a situação de oprimidas em que estavam e pudessem agir em favor da própria libertação. Nascido em uma das regiões mais pobres do país, ele experimentara essa realidade, e, em sua trajetória, defendeu o ensino como forma de despertar a criticidade do aluno, fazendo com que o mesmo buscasse a ampliação de sua consciência social e conseguisse atingir à autonomia.

Paulo Freire

Ao propor uma prática de sala de aula que pudesse desenvolver a criticidade dos alunos, Freire condenava o ensino oferecido pela maioria das escolas, por serem escolas burguesas, qualificadas por ele como escolas de “educação bancária”. Segundo Paulo Freire, o professor destas escolas agem como quem deposita conhecimento no aluno, visto por sua vez como como receptivo e dócil. Em outras palavras, o saber é visto como uma transferência destes professores que se julgam seus detentores de toda sabedoria que existe. Para Freire, este tipo de educação é proveniente de uma escola alienante, com ideologias que visam manter os alunos na condição de alienados e oprimidos,
“[…] Sua tônica fundamentalmente reside em matar nos educandos a curiosidade, o espírito investigador, a criatividade”. - escreveu o educador.
Enquanto a escola conservadora procura acomodar os alunos ao mundo existente, a educação que Freire defendia tinha a intenção de inquietá-los e cativá-los ao pensamento crítico e investigativo.

O exílio durante a Ditadura Militar

Por seu empenho em ensinar os mais pobres, Freire tornou-se uma inspiração para gerações de professores, especialmente na América Latina e na África. Porém, pelo mesmo motivo, sofreu a perseguição do regime militar no Brasil. Os pensamentos de Paulo Freire passaram a ser vistos como subversivos durante a Ditadura Militar (1964-1985) e, como consequência, foi preso por 72 dias e exilado, só podendo voltar ao país após 16 anos.
Freire foi um teórico assumidamente defensor de que a educação deveria ser uma prática libertadora, inclusive, “Educação como prática da liberdade” e “Pedagogia do oprimido” foram dois de seus livros mais importantes, escritos enquanto ele estava exilado.

frase de Paulo Freire


Recuperação salarial de professores

Além de ter sido um grande defensor da educação democrática, Paulo Freire foi também defensor dos professores. Seu trabalho na educação e sua visão de que a consciência crítica e ativa precisa ser despertada, reforçava o que o papel do professor ia além do ensinar, pois para ele o ato de ensinar está diretamente relacionado ao de aprender. Por essa razão, defendia que o professor deveria ser valorizado em todos os sentidos, pois ele é fundamental para a construção de uma sociedade que pretende atingir uma educação de qualidade.
Durante o período de 1989 a 1991, Paulo Freire assumiu a direção da Secretaria Municipal de Educação (SME) do Estado de São Paulo, ele trabalhou na defesa dos ganhos do profissional, bem como na implementação de movimentos de alfabetização, formação continuada e de revisão curricular.

Destaque na educação brasileira

Além de ter recebido uma variedade de prêmios de diferentes países e organizações, dentre eles o Prêmio Andres Bello, da OEA (Organização dos Estados Americanos), como Educador dos Continentes, Paulo Freire recebeu nada menos que 41 títulos de doutor honorário em diversas universidades do mundo, inclusive Harvard e Oxford, devido às suas pesquisas.
A necessidade de visibilidade e de valorização da pesquisa em educação nacional foi muito bem destacada na produção intelectual de Paulo Freire. Ainda hoje, Paulo Freire é um ícone da educação brasileira, sendo um dos nomes mais respeitáveis para o embasamento teórico de pesquisas relacionadas à alfabetização.
Embora o patrono da Educação brasileira ainda seja rejeitado e incompreendido por pessoas que possuem uma visão mais autoritária, as obras de Paulo Freire falam por si e são um grande e importante legado para o desenvolvimento da educação moderna.


Quer saber mais? Leia a bibliografia de Paulo Freire:

Educação e atualidade brasileira (1959)
A propósito de uma administração. Imprensa Universitária (1961)
Alfabetização e conscientização (1963)
Educação como prática da liberdade (2000)
Educação e conscientização: extensionismo rural (1968) – Paulo Freire, Raul Veloso e Luís Fiori.
Extensão ou comunicação? (2001)
Ação cultural para a liberdade e outros escritos (2007)
Cartas a Guine-Bissau: registros de uma experiência em processo (1984)
Os cristãos e a libertação dos oprimidos (1978)
Consciência e história: a práxis educativa de Paulo Freire (antologia) (1979)
Educação e mudança (1979)
Multinacionais e trabalhadores no Brasil (1979)
Quatro cartas aos animadores e às animadoras culturais (1980) República de São Tomé e Príncipe
Conscientização: teoria e prática da libertação; uma introdução ao pensamento de Paulo Freire (1980)
Ideologia e educação: reflexões sobre a não neutralidade da educação (1981)
Sobre educação (Diálogos), Vol. 1. (1982)
Por uma pedagogia da pergunta (2002) – Paulo Freire e Antonio Faundez.
Fazer escola conhecendo a vida (1986) – Paulo Freire, Adriano Nogueira e Débora Mazza
Aprendendo com a própria história (2000) Paulo Freire e Sérgio Guimarães.
Na escola que fazemos: uma reflexão interdisciplinar em educação popular. Paulo Freire; Adriano Nogueira e Debora Maza
Que fazer: teoria e prática em educação popular (1989) Paulo Freire e Adriano Nogueira.
Paulo Freire conversando con educadores (1990)
Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra (1990) – Paulo Freire; Donaldo Pereira Macedo
A Educação na cidade (1991)
A importância do ato de ler: em três artigos que se completam ( 2008)
Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido (1997)
Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar (2008)
Política e educação: ensaios (1993)
Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis (2003) – Paulo Freire e Ana Maria Araújo Freire
Essa escola chamada vida (1994) Paulo Freire e ‎Frei Betto
O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social – Myles Horton; Paulo Freire; Brenda Bell
À sombra desta mangueira (1995) Paulo Freire e Ana Maria Araújo Freire
Pedagogia: diálogo e conflito (1986) – Paulo Freire, Sérgio Guimarães e Moacir Gadotti
Medo e ousadia: o cotidiano do professor (1997) – Paulo Freire e Ira Schor
Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (2009)
Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos (2000)
A África ensinando a gente: Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe (2003) – Paulo Freire e Sérgio Guimarães

07 de Setembro: Proclamação da Independência do Brasil

independência do Brasil


No dia 07 de setembro comemoramos a Independência do Brasil, que aconteceu em 1822. Um grande marco deste dia foi o grito da independência às margens do Rio Ipiranga (São Paulo), realizado pelo Príncipe Pedro de Alcântara (D. Pedro I, durante o Primeiro Reinado). Após ter a independência declarada, o Brasil tornou-se uma monarquia com a coroação de D. Pedro I. 

Vamos recapitular o processo de Independência do Brasil?

Para entendermos a Independência do Brasil precisamos recapitular o que aconteceu na Europa, no início do século XIX. Nesse período, Napoleão Bonaparte dominava quase todo território europeu e tinha a Inglaterra como principal rival.

Em 1806, Napoleão Bonaparte determinou que as nações europeias fechariam seus portos para as embarcações inglesas, tendo como objetivo o enfraquecimento econômico da Inglaterra. Essa tomada de decisão ficou conhecida como o Bloqueio Continental. Porém, Portugal não desejava romper as relações com a Inglaterra, pois era um parceiro comercial muito importante para o país.

Em 1808, D. João VI, Príncipe-Regente de Portugal, decidiu então transferir a corte portuguesa para o Brasil, pois isso garantiria aos Ingleses o acesso ao mercado brasileiro e a manutenção de sua coroa. 

pintura o embarque da família real portuguesa para o brasil
Embarque da família real portuguesa no dia 29 de novembro de 1807, em Belém, Lisboa.

A chegada da família Real ao Brasil ocasionou uma série de mudanças, contribuindo para o desenvolvimento comercialsocial, cultural e econômico. Estas mudanças possibilitaram a independência do Brasil mais a frente e, por esse motivo, alguns historiadores consideram que a independência do Brasil já teria acontecido com a chegada da família real.

Outras decisões foram destacadas pelo jornalista Chico Castro:

Tomou providências, um ano após a sua chegada, para que houvesse interesse pela educação e literatura brasileiras no ensino público, abrindo vagas para professores. Instalou na Bahia uma loteria para arrecadar fundos em favor da conclusão das obras do teatro da cidade; mandou estabelecer em Pernambuco a cadeira de Cálculo Integral, Mecânica e Hidromecânica e um curso de Matemática para os estudantes de Artilharia e Engenharia da capitania; isentou do pagamento de direitos de entrada em alfândegas brasileiras de matérias-primas a serem manufaturadas em qualquer província e criou, pela primeira vez no país, um curso regular de língua inglesa na Academia Militar do Rio de Janeiro.

CASTRO, Chico. A Noite das Garrafadas. Brasília: Senado Federal, 2013, p. 33 e 34.
Em 1815, D. João eleva o Brasil à condição de Reino Unido. Ou seja, o Brasil havia deixado de ser colônia e passava a ser parte do reino de Portugal. 

No Brasil, nem todos concordavam com a presença da corte portuguesa, pois os impostos cobrados para sustentar a família real estavam cada vez maiores. Nasce então um dos principais episódios de revolta, que foi a Revolução Pernambucana, em 1817. A Revolução Pernambucana foi reprimida violentamente pela coroa.

Em 1820, Portugal vivia uma forte crise política e econômica, como consequência da invasão francesa. A burguesia portuguesa, inspirada em ideais liberais, inicia então a Revolução Liberal do Porto. O movimento da Revolução Liberal do Porto exigia o retorno do Rei D. João VI, a instituição de uma Constituição para Portugal e o retorno do Brasil à condição de colônia

Em abril de 1821, D. João VI retorna a Portugal e deixa seu filho herdeiro D. Pedro como regente do Brasil. Nesta viagem, D. João VI leva consigo uma grande quantidade de ouro e diamantes que estavam nos cofres do Banco do Brasil e cerca de quatro mil pessoas também retornaram a Portugal.

Um instituição chamada "Cortes portuguesas" surgiu com a Revolução do Porto. As Cortes Portuguesas tomaram medidas muito impopulares para o Brasil, como exigência de transferência das principais instituições criadas durante o Período Joanino para Portugal, o envio de tropas para o Rio de Janeiro e a exigência de retorno do Príncipe regente para Portugal. Essas medidas somadas à intransigência dos portugueses no decorrer das negociações com os representantes brasileiros era de grande desrespeito com relação ao Brasil e ao povo brasileiro. Isso fez com que a resistência dos brasileiros com os portugueses aumentasse. 

Em dezembro de 1821, chegou uma ordem ao Brasil, exigindo o retorno de D. Pedro para Portugal, provocando então uma reação instantânea no Brasil. Porém, em janeiro de 1822, durante uma audiência do Senado, um documento com mais de 8 mil assinaturas foi entregue a D. Pedro, onde requeria-se a permanência do príncipe regente no Brasil. Supostamente, o ocorrido serviu como principal motivação para que D. Pedro dissesse as seguintes palavras:

“Como é para bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto; diga ao povo que fico”
SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 189.

Não há comprovação de que estas palavras realmente foram ditas por D. Pedro, segundo os historiadores. Porém, de toda forma, esse acontecimento ficou marcado como "Dia do fico".

O rompimento com Portugal fica ainda mais provável em maio, quando foi decretada uma importante medida no Brasil: O cumpra-se. De acordo com essa norma, uma lei promulgada em Portugal só valeria se D. Pedro a tornasse válida no Brasil.

Portugal insiste em manter o seu domínio sobre o Brasil e envia uma ordem para que o príncipe regente volte a Portugal. Em 28 de agosto de 1822, a Princesa Maria Leopoldina, esposa de D. Pedro, recebe a ordem emitida de Portugal e se convence sobre o rompimento.

A Princesa convoca então uma sessão extraordinária do Conselho de Estado, onde ela assina a declaração de independência e envia a D. Pedro, que havia viajado para São Paulo. D. Pedro recebe a carta no dia 7 de setembro, quando estava às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo.

Acredita-se então que, nesse momento, D. Pedro tenha gritado a famosa frase "Independência ou morte", mas não existem evidências históricas que comprovem isto.
pintura de D Pedro I e a proclamação da Independência do Brasil às margens do Rio Ipiranga
D. Pedro e multidão após a proclamação de independência do Brasil, no dia 7 de setembro de 1822. Pintura de Pedro Américo (1888).

Diferente do que muitas pessoas acreditam, a independência do Brasil não aconteceu de maneira pacífica. Com a proclamação da independência, muitas regiões brasileiras demonstraram insatisfação e rebelou-se contra o processo de independência. movimentos "não-adesistas" eclodiram nas províncias que não aderiram ao processo de independência e que se mantiveram leais a Portugal. As províncias de Pará, Bahia, Maranhão e Cisplatina (atual Uruguai). Aconteceram campanhas militares e combates contra as forças que não aderiram à independência nestas localidades, estendendo-se até 1824.

Outras consequências se deram após a Independência do Brasil, dentre elas podemos destacar:
  • Estabelecimento de uma monarquia nas Américas;
  • O Brasil enquanto nação independente;
  • Construção da nacionalidade brasileira;
  • Endividamento do Brasil por meio de um pagamento de 2 milhões de Libras Esterlinas como indenização aos portugueses.


Resumidamente, estes foram os principais acontecimentos que levaram à independência do Brasil:

  • 1808: A chegada da família real no Brasil;
  • 1815: A elevação do Brasil à condição de Reino Unido;
  • 1817: Revolução Pernambucana;
  • 1820: A Revolução Liberal do Porto;
  • 1821: D. João VI retorna a Portugal;
  • 9 de janeiro de 1822: "Dia do Fico" no Brasil;
  • 07 de setembro de 1822: Proclamação da independência do Brasil.

Referências

CASTRO, Chico. A Noite das Garrafadas. Brasília: Senado Federal, 2013, p. 33 e 34.
SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 189 e 212.
Napoleão Bonaparte. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Napoleão_Bonaparte. Acesso em 07 de setembro de 2019.

5 Filmes sobre a Síndrome de Tourette

O primeiro da Classe

Já fiz uma publicação aqui no blog, falando sobre o que é a Síndrome de Tourette e você pode conferir clicando aqui.

É inegável que os filmes e séries são mais consumidos pela população mundial do que os livros, até por conta da questão do tempo. Geralmente, os filmes facilitam a compreensão de uma forma mais rápida e levam um despertar maior a quem nunca ouviu falar sobre determinado assunto.

A Síndrome de Tourette não é um assunto muito abordado, mas não é por isso que ela se torna inexistente. Como eu sempre reforço aqui, precisamos dar visibilidade às pessoas que passaram tanto tempo sendo desprezadas por desordens que não escolheram ter. Embora não seja muito fácil encontrar a ST em pauta nas obras literárias e filmes de cinema, pessoas com Síndrome de Tourette existem e estão por toda parte.

Listei 5 filmes sobre a Síndrome de Tourette, e, assim como fiz no artigo onde eu indico 21 filmes sobre Autismo (TEA), aqui, os filmes também não estão listado por ordem de preferência pessoal, mas sim por ordem de lançamento.

Espero que você goste dos 5 filmes sobre Síndrome de Tourette e compartilhe com seus amigos.

O código do amor (1999)


O filme americano é chamado originalmente de “The Tic Code”, e, conta a história de Miles Caraday, um pródigo pianista de jazz que tem a síndrome de Tourette. Em um clube local ele conhece e se torna amigo do saxofonista Tyrone Pike, que também tem a síndrome, mas aprendeu a disfarça-la.

O primeiro da classe (2008)


O primeiro da Classe (Front of the Class) é baseado em uma história real e comovente. O filme conta a história de Brad Cohen (interpretado por James Wolk), que tem a Síndrome de Tourette e enfrentou os sintomas e todos os preconceitos para realizar o seu sonho de se tornar professor. Cohen passa por uma série de dificuldades durante todo o filme, que ressalta a incompreensão das pessoas em relação às reações da Síndrome (inclusive de sua própria família, como o pai que o repreende constantemente durante a infância). Provavelmente você vai se surpreender com a belíssima interpretação, mas principalmente com o fato dessa história ter acontecido de verdade. No Youtube tem o filme completo e você ainda pode escolher como quer assistir, pois tem a versão dublada e legendada.

A menina no País das Maravilhas (2008)


A menina no País das Maravilhas ( Phoebe in Wonderland) conta a história de Phoebe Lichten (interpretada por Elle Fanning), que tem Síndrome de Tourette. Seu sonho era participar da peça ‘Alice no País das Maravilhas’, encenada em sua escola, porém, Phoebe sempre é rejeitada por seus colegas de classe. Seus pais percebem que essas rejeições tem agravado as reações da garota, e, preocupados, tentam ajudá-la, mesmo sem saber ao certo a melhor forma de ajudar. Phoebe, passa a se envolver e a se esconder cada vez mais em suas fantasias, criadas como forma de fuga da realidade. No decorrer da história, a menina passa a confundir os seus sonhos com a vida real. É possível encontrar este filme completo e dublado ou legendado no Youtube.

Vincent quer ver o mar (2010)


Este filme foi produzido originalmente na Alemanha e conta a história de Vincent, um rapaz que sofre de síndrome de Tourette. Os sintomas da síndrome começam a se agravar após a perda de sua mãe e seu pai resolve interná-lo em uma clínica. Nesta instituição, Vincent conhece uma moça com anorexia e um rapaz com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Vincent convida seus novos amigos para fugirem da clínica e viajarem à Itália para realizar o último desejo de sua mãe.

A estrada Interior (2014)


A Estrada Interior (The Road Within), é a versão americana do filme “Vincent quer ver o mar”, que narra a história de um adolescente chamado Vincent que sofre de Síndrome de Tourette. Recomendo que as duas versões (“Vincent quer ver o mar” e “A estrada interior”) sejam assistidas. Também é possível assistir este vídeo pelo Youtube.

Veja também: 12 Filmes sobre histórias reais de professores

Você gostou das indicações dos 5 filmes sobre Síndrome de Tourette? Conhece mais algum filme sobre o tema que eu não listei aqui? Deixe um comentário com sua sugestão! Embora eu não consiga responder a todos os comentários rapidamente, eu leio todos eles e irei adorar ler o seu também. ♥

12 Filmes Baseados em Histórias Reais de Professores

filmes baseados em histórias reais de professores

Os filmes têm o poder de dar vida a histórias de modo com que a gente até consiga se imaginar diante da mesma realidade retratadas neles, não é mesmo? Gosto de indicar filmes que facilitam o conhecimento acerca de variados temas, como fiz nos artigos onde indico 21 filmes sobre Autismo e 5 filmes sobre Síndrome de Tourette.

Desta vez, listei 12 filmes baseados em histórias reais de professores. Os filmes não estão listados por ordem de preferência, mas sim por ordem de lançamento (do mais antigo para o mais recente). Todos eles são fáceis de serem encontrados no YouTube ou Netflix.

1- MENTES PERIGOSAS (1995)

A ex-fuzileira naval, Louanne Johnson, decide realizar seu sonho de ser professora. Após ser hostilizada pelos alunos de uma escola de ensino médio, na periferia dos Estados Unidos, aposta em métodos pouco convencionais, como o karatê e músicas de Bob Dylan, para ensiná-los. O longa, inspirado em uma história real, ficou famoso pela canção Gangsta’s Paradise, do rapper Coolio e pela atuação de Michelle Pfeiffer.

dangerous minds mentes perigosas professora alunos ensino médio história real

2- Ser e Ter (2002)

Ser e Ter é um documentário de Nicolas Philibert, que acompanha a rotina de George Lopez, um dedicado professor, no interior da França. Nesta realidade retratada, crianças entre 4 e 11 anos dividem a mesma sala de aula do Ensino Fundamental e aprendem a ler, escrever e se relacionar. Indicado a vários prêmios, como o César, (o Oscar francês), o longa tem sido estudado e mostrado em escolas de várias partes do mundo. Este documentário está disponível no YouTube.


3- UMA MENTE BRILHANTE (2002)

O filme conta a história real de John Nash que, aos 21 anos, formulou um teorema que provou sua genialidade. Obteve sucesso em várias áreas da matemática e uma carreira acadêmica respeitável, mas após ser chamado a fazer um trabalho em criptografia para o governo dos Estados Unidos, Nash passa a ser atormentado por delírios e alucinações, sendo diagnosticado como esquizofrênico pelos médicos. Nash enfrentou muitas batalhas em sua vida pessoal, mas chegou a ganhar o Prêmio Nobel em 1994. Uma mente brilhante é um filme muito emocionante e está disponível na Netflix.

Filme uma mente brilhante John Nash


4- COACH CARTER: TREINO PARA A VIDA (2005)

Coach Carter: Treino para a vida é baseado na história real do atleta Ken Carter (interpretado por Samuel L Jackson), que jogou basquete de 1973 a 1977, quebrando vários recordes no tempo de colégio. Após aceitar o convite para assumir o cargo de treinador do time de basquete da Richmond High School, Carter percebeu que teria bastante trabalho com esta equipe que colecionava consecutivas derrotas, devido à falta de habilidade dos jogadores, indisciplina, agressividade, insubordinação e indiferença dos alunos. 


5- PRO DIA NASCER FELIZ (2005)

Este documentário retrata a realidade das escolas e das grandes diferenças sociais, financeiras e culturais existentes no Brasil. Ao desenrolar das tramas, percebemos também que os problemas estão presentes em todos os lugares e são direcionados a um mesmo destino: O fracasso escolar.
Durante este documentário angustiante e muito bem esquematizado dirigido por João Jardim, dados estatísticos e cenas reais do dia a dia dentro de escolas públicas e provadas são reveladas. Este documentário está disponível por completo no YouTube.


6- A HISTÓRIA DE RON CLARK – O TRIUNFO (2006)

Este filme foi baseado na história de Ron Clark (Matthew Perry), um professor com histórico de sucesso na primeira escola onde lecionou, em Aurora, Carolina do Norte. Quando Clark se muda para o estado de Nova York, passa por muita ansiedade até conseguir um emprego no Harlem, onde queria exercer sua função de professor, apesar de dizerem que tem a “cor errada”. Ao passar na porta da Inner Harlem, uma escola de Ensino Fundamental, vê um professor e um aluno brigando. Este fato faz com que o professor peça demissão e Clark consiga o emprego. Mas, para a surpresa do diretor, Ron quer ser professor da pior turma do colégio. Ninguém sabia, mas ele estava reescrevendo não apenas a sua história, mas também a de seus alunos que já não tinham nem mais sonhos. Vale super a pena assistir este filme! Encontra-se disponível no YouTube.

professor em sala de aula alunos meninos meninas Ron Clark O triunfo

7- ESCRITORES DA LIBERDADE (2007)

Escritores da Liberdade é um filme baseado em uma história real, ocorrida em 1994, abordando realizações face à adversidade, na sala 203 de uma escola em Long Beach, Califórnia. A professora Erin Gruwell (Hilary Swank), enfrentou sua primeira classe de alunos, rotulados pela administração do colégio como adolescentes “em risco” ou “problemáticos”. A classe era uma mistura de Afro-americanos, Latinos, Cambojanos, vietnamitas, entre outros. A realidade que estes alunos conheciam era da agressividade, pobreza, dos crimes, da participação de gangues e do fracasso escolar. O longa foi inspirado em eventos relatados pela professora Erin Gruwell e seus alunos no livro O Diário dos Escritores da Liberdade. Este filme também encontra-se disponível no YouTube.

escritores da liberdade historia real
A verdadeira Erin Gruwell (na primeira fila, vestida com camisa rosa) e seus alunos.

Leia também: 21 Filmes sobre Autismo que você precisa assistir

8- ENTRE OS MUROS DA ESCOLA (2008)

O romance é um relato semi-autobiográfico das experiências de François Bégaudeau como professor de língua e literatura francesa em uma escola secundária no 20º arrondissement de Paris. O filme é estrelado pelo próprio Bégaudeau no papel do professor e recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 2008, tornando-se o primeiro filme francês a fazê-lo desde 1987. Entre les Murs ou “The Class” também foi indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.



9- O PRIMEIRO DA CLASSE (2008)

O primeiro da Classe (Front of the Class) é baseado em uma história real e comovente. O filme conta a história de Brad Cohen (interpretado por James Wolk), que tem a Síndrome de Tourette e enfrentou os sintomas e todos os preconceitos para realizar o seu sonho de se tornar professor. Cohen passa por uma série de dificuldades durante todo o filme, que ressalta a incompreensão das pessoas em relação às reações da Síndrome (inclusive de sua própria família, como o pai que o repreende constantemente durante a infância). Provavelmente você vai se surpreender com a belíssima interpretação, mas principalmente com o fato dessa história ter acontecido de verdade. Já citei este filme no artigo onde indico 5 filmes sobre a Síndrome de Tourette.


10- A ONDA (2009)

O professor Rainer Wegner (Jürgen Vogel) deve ensinar seus alunos sobre autocracia. Na tentativa de cativar o interesse dos alunos pela aula, propõe um experimento que explique na prática os mecanismos do fascismo e do poder. Wegner se denomina o líder daquele grupo, escolhe o lema “força pela disciplina” e dá ao movimento o nome de A Onda. Em pouco tempo, os alunos começam a propagar o poder da unidade e ameaçar os outros. Quando o jogo fica sério, Wegner decide interrompê-lo. Mas é tarde demais, pois “A Onda” já saiu de seu controle. O filme é alemão, baseado em uma história real ocorrida na Califórnia em 1967. Vale a pena assistir!



11- UMA LIÇÃO DE VIDA (2009)

A história de um queniano octogenário, chamado Kimani N’gan’ga Maruge, que lutou para aprender a ler e a escrever em seu país, virou inspiração real para o filme Uma lição de vida e o levou a palestrar pelos Estados Unidos. Maruge (interpretado pelo ótimo Oliver Litondo), teve que enfrentar todo tipo de adversidade em nome da educação. Ex-combatente de um grupo de revolucionários que lutou contra os ingleses pela independência do Quênia, aos 84 anos, ele recebe uma carta da Presidência de seu país e resolve se matricular em uma escola primária com o objetivo de decifrá-la. Rapidamente, a história vira notícia e desperta a inveja da comunidade local, a ira de pais ignorantes e a ganância de burocratas que acham que Maruge está tirando um troco com a publicidade. Com um passado sofrido, ele, no entanto, tem o apoio da professora Jane Obinchu (interpretada brilhantemente por Naomie Harrisem) em um cenário ainda marcado pela rivalidade entre etnias. Confira o trailer:


12- ALÉM DA SALA DE AULA (2011)

Além da sala de aula é um filme norte-americano, inspirado em uma história real. Conta a história de uma professora chamada Stacey Bess, que desde pequena queria lecionar. Ela consegue seu primeiro emprego em um novo programa de ensino para crianças sem teto, nos Estados Unidos, na cidade de Salt Lake em 1987. Ao chegar ao abrigo, Stacey se sente completamente desanimada, devido ao clima hostil, e vários outros problemas, como a diferença de idade entre as crianças, a má alimentação e a falta de carteiras e livros, além dos roubos dos poucos recursos que o abrigo tinha. Este filme lindo e emocionante também pode ser encontrado na íntegra no YouTube.

filme baseado em uma história real crianças alunos abrigo sala de aula professora

Acredito que estes 12 filmes baseados em histórias reais de professores ensinam grandes lições a respeito dos ideais pedagógicos e compromisso com o processo de ensino-aprendizagem. Quando a autoridade do professor é bem direcionada, com um caráter afetivo e educativo, ganha-se o poder de transpor qualquer barreira em sala de aula.

Você conhece mais algum filme baseado na história real de um professor e que não está nesta lista? Compartilhe conosco nos comentários!