Froebel e o Jardim de Infância

Froebel

Conheça Friedrich Fröebel, o educador que instiga tanto os educadores da Educação Infantil, reconhecido como o criador do Jardim de Infância e como pai do brinquedo e do jogo pedagógico. Um dos primeiros educadores a considerar o início da infância como uma fase de absoluta importância para o desenvolvimento do sujeito.

Quem foi Friedrich Fröebel?

Friedrich Froebel foi um educador, nascido em Oberweissbach, em 1782 e faleceu em 1852. Perdeu a mãe poucos meses após ter nascido e, por isso, foi criado por seu pai e madrasta. Seu pai era um pastor protestante, que não era muito afetuoso e não tinha muito tempo para se dedicar à criação de Froebel, mas o ensinou a ler, a escrever e também foi responsável por sua formação religiosa. Tinha muitos irmãos por parte de sua madrasta e, talvez por isso, desenvolveu-se como autodidata muito cedo.

Froebel nasceu na Era das revoluções, que foi um período marcado por muitas guerras, pobreza e sofrimento. Foi desde sempre muito estimulado ao trabalho, dentro daquela antiga concepção de que a criança é um jovem e pequeno adulto, pois não existia o conceito de infância que temos hoje.

Ainda muito jovem, Froebel se tornou aprendiz de guarda florestal e, foi então que se interessou por Mineralogia e Ciências Naturais, que se tornaram pontos importantes para a constituição de toda filosofia educacional elaborada por ele mais tarde. O desejo de ir à faculdade se aflorou e então decidiu se matricular no curso de Filosofia, na Universidade de Jena. Dentro da universidade, cursou informalmente algumas outras matérias pelas quais possuía interesse e também continuou seus estudos sobre Ciências Naturais.

Por volta de 1805, incentivado por um amigo, diretor de uma escola modelo, Froebel se torna professor, estimulando em seus alunos a auto-educação e o aperfeiçoamento, que fazia parte de suas vivências. Ali nascia um educador fruto da prática, que mais produziria uma metodologia inspirada nas vivências.

Após conhecer as ideias de Pestalozzi, Froebel viaja para encontrá-lo em Yverdon, na Suíça e foi bastante influenciado por ele. Apesar de ter incorporado algumas ideias de Pestalozzi, Froebel discordava de alguns pontos e, após desentendimentos entre os dois, Froebel volta para a Alemanha, dois anos depois.

Saiba mais: PESTALOZZI E A APRENDIZAGEM PELA AFETIVIDADE

Sua atuação como professor foi interrompida quando ele foi convocado a participar da guerra prussiana contra França, em 1813. Ao retornar da guerra, Froebel fundou na Alemanha o seu Instituto de Educação, em 1816 e lá passar a aplicar as teorias que desenvolveu. Fruto dos primeiros sete anos como diretor dessa escola, Froebel escreve sua mais importante obra de caráter filosófico: A educação do homem. 

Entre 1843 e 1844, após Froebel ter criado os jardins de infância, mais de 40 instituições de jardim de infância surgiram pela Alemanha, mas em 1851 estas instituições foram proibidas, pois Froebel foi acusado de ser ateísta e socialista. Como as ideias de jardim de infância eram muito avançadas para aquele período histórico, Froebel foi considerado um revolucionário comunista e as instituições de jardim de infância foram consideradas, erroneamente, como organizações comunistas e fechadas. Froebel morreu um ano depois, sem que seus jardins de infância tivessem voltado a funcionar. Os jardins de infância voltaram a funcionar cerca de 8 anos mais tarde, após sua morte.

criança brincando com jogo de montar no jardim de infância

Por que a obra de Froebel é importante?

Assim como Pestalozzi, Froebel compartilhava da concepção de desenvolvimento gradual da criança. Ele defendia a ideia de que a criança se desenvolve primeiro lá na infância, depois na meninice, depois na puberdade, na mocidade, para então chegar de fato à maturidade (idade adulta). Ele afirmava, a partir desse conceito, que o adulto precisa de uma formação e que essa formação precisa ser prévia. Sendo assim, Froebel detectou três estágios do desenvolvimento infantil: Primeira infância, infância e idade escolar.

Froebel passa então a dividir a concepção de ensino para cada uma das faixas etárias, onde cada grupo de crianças tem um espaço para aprender. Em 1840, fundou o primeiro Jardim de infância, que se constituía dos princípios Froeberianos, onde as crianças podiam expressar seu interior de maneira intuitiva, através de jogos e brincadeiras. Os jardins de infância atendiam crianças com menos de 8 anos - não apenas com a intenção de alfabetizar, mas também para desenvolver:
  • a linguagem oral, da natureza e da vida;
  • a percepção sensorial;
  • a ludicidade através da brincadeira.
Para Froebel, o jardim de infância representa um jardim, onde as crianças são as plantinhas e o professor é o jardineiro, que tem que cuidar e fazer com que essa criança cresça e se desenvolva plenamente, até porque, segundo ele, a criança necessita de cuidados frequentes para se desenvolver. As bases da educação de Froebel estavam na percepção sensorial, então percebia a importância do estímulo à criança para perceber e entender o mundo de diferentes formas, no desenvolvimento da linguagem, do brinquedo e do lúdico.

Froebel defendia a ideia de que o adulto formado a partir de de estímulos na infância é um adulto mais bem informado, com menos perversões com menos desvios de caráter e com mais aquisição de conhecimento aplicável. Também defendia que a criança precisa receber atenção e que o brincar é uma das principais formas de aprender, ensinar e apresentar o mundo, pois a partir da brincadeira existem as diferentes transformações sociais e, ao brincar, a criança está aprendendo diferentes situações, inclusive a se relacionar com o mundo. Imitando os adultos a criança aprende as noções de convivência e as regras sociais, além do desenvolvimento físico e moral, que são partes principais do desenvolvimento infantil.

- Brinquedos e jogos pedagógicos

A ideia de que a Educação Infantil é indispensável para a formação da criança foi aceita por grande parte dos teóricos da educação que vieram depois de Froebel. O objetivo das atividades nos jardins de infância era possibilitar que as crianças tirassem o máximo de proveito educativo das atividades lúdicas. Os brinquedos, as brincadeiras, o material escolar e até mesmo a decoração da sala de aula eram pensados com o propósito de estimular o aprendizado.

Sua estratégia didática consistia em passar o jogo, dinâmica e brincadeira em ambiente interno, estimulando a aprendizagem. Em seguida, ele direcionava as crianças para área externa, fazia uma cantiga de roda, algo agregador, algo incomum e em grupo e a partir desta exaltação, desse fluxo no qual as crianças estariam totalmente envolvidas na situação de aprendizagem e na situação do divertimento, é onde existiria para ele a conexão em Deus. Froebel trouxe a proposta da formação cristã, a formação social e é a partir daí que a gente começa a discutir o brinquedo na educação e na ciência, lá no século XIX.

As brincadeiras, quase sempre, eram promovidas ao ar livre para que a turma interagisse com o ambiente e eram acompanhadas de músicas, versos e dança. Os materiais pedagógicos criados por Froebel eram chamados de dons ou presentes e, para serem usados, era necessário seguir regras, pois dessa forma haveria maior proveito educativo.

- O conceito de educação espontânea

Froebel adotava a ideia contemporânea do "aprender a aprender". Ele defendia a concepção de que a educação se desenvolve espontaneamente e que, quanto mais ativa é a mente da criança, mais ela é receptiva a novos conhecimentos. Por esse motivo, considerava que a criança deve ser livre para se expressar.

A pedagogia de Froebel partia do estímulos dos sentidos e o contato com o mundo e a natureza. Porém, isso não quer dizer que o ensino diretivo era descartado por ele. Froebel acreditava que as crianças possuem uma metodologia natural que permite que elas aprendam de acordo com por meio de atividade prática, a partir do que desperta o interesse.

As principais ferramentas de Froebel era a brincadeira e o lúdico. Observava a criança brincando para ver as relações, entendidas por ele como relação direta entre o "mundo interno" e "mundo externo". Nestas relações, a criança recebe elementos do mundo externo no formato de aprendizagem e expelia o que ela pensava do mundo interno. Observando essas relações, o professor e os pais conseguem entender o que que essa criança pensa e por quais experiências de vida a criança já passou. Segundo Froebel, a criança estimulada na infância se desenvolve melhor.

Para ele, o ato de brincar é a base do aprendizado da criança e é a maneira mais eficaz para formar o indivíduo até os oito anos. Por isso, combatia o excesso de abstração da educação, pois acreditava que a abstração afastava os alunos do aprendizado.

- Treino de habilidades

Froebel chegou à conclusão de que ao mesmo tempo em que a criança brinca e exterioriza seu mundo interno, também interiorizam as novidades, as novas aprendizagens e habilidades. Percebeu então que é possível promover uma educação que, ao mesmo tempo em que permite o treino de habilidades que a criança já possui, também possibilita trabalhar e interiorizar o surgimento de novas habilidades aprendidas.

Ele considerava que a natureza era a manifestação de Deus no mundo terreno e expressava a unidade de todas as coisas. Froebel não fez a separação entre religião e ensino, mas via a educação como uma atividade em que escola e família caminham juntas. Esta característica que une a família e a escola na Educação Infantil é mantida até hoje e vem sendo cada vez mais elaborada.

Como Froebel dialoga com as diferentes teorias da Educação?

Mesmo tendo incorporado a filosofia educativa de Pestalozzi, Froebel a considerava descritiva demais e considerava que direcionar totalmente a educação de uma criança é destruir seu desenvolvimento natural. Outro ponto de divergência entre os dois era o fato de Pestalozzi preocupado com as questões sociais e políticas, enquanto Froebel, que era mais introspectivo, não considerava estas questões tão relevantes. Estes foram os pontos cruciais que culminaram no desentendimento entre os dois enquanto educadores, mas Froebel continuou seguindo as ideias de infância e educação que aprendeu com Pestalozzi.

Froebel foi um dos primeiros pedagogos a se basear na observação das crianças interagindo com jogos e brinquedos e na auto-educação. Este conceito só foi difundido no início do século XX, através do movimento da Escola Nova, por Maria Montessori e Célestin Freinet, entre outros.

Leia também: MONTESSORI E A PEDAGOGIA CIENTÍFICA

Ao defender a educação sem imposições às crianças e a teoria de que elas passam por diferentes estágios de capacidade de aprendizado, com características específicas, Froebel estaria antecipando as ideias do suíço Jean Piaget, que posteriormente aprofundou seus estudos com base nas fases do desenvolvimento infantil de maneira mais científica.
Nos Estados Unidos, o filósofo John Dewey também incorporou os preceitos de Froebel.

A Educação contemporânea deve muito a Friedrich Fröebel e às suas técnicas educacionais, que utilizamos até hoje na Educação Infantil. Graças a ele, sabemos hoje que a brincadeira é o primeiro recurso no caminho da aprendizagem e que não se trata apenas de diversão, mas também de representação do mundo concreto (externo) com a finalidade de entendê-lo.

Recomendações:

Infelizmente, existem poucas obras froeberianas traduzidas para a língua portuguesa, mas se você for fluente em inglês ou em francês, encontrará uma maior variedade de livros com conteúdos riquíssimos. Clique aqui e confira!

Veja abaixo duas indicações de livros em português, com preços muito acessíveis e que serão essenciais em sua estante de livros pedagógicos:

Nenhum comentário

Postar um comentário